16 de jun de 2015

Você se sente rejeitado(a)?

Essa semana foi estranha... mas serviu para uma ótima reflexão que quero compartilhar com vocês. Falo com muitas pessoas, todos os dias e semana que passou houve algo como que uma sintonia do universo, que fez virem até mim pessoas vivendo uma situação semelhante de sentimento de rejeição e pude ver de perto que em todos os casos um comportamento era comum: o vitimismo. Nenhuma delas em momento algum assumia algum nível de culpa ou responsabilidade por estarem sendo rejeitadas e em contrapartida, todas colocavam nos outros todo o peso de seus problemas e dores. 

O fato mais interessante é que se sentaram diante de mim no início da consulta com olhos tristonhos, ombros caídos, quase que me implorando:" Pelo amor de Deus, me faz um afago" - buscando na consulta a certeza de que realmente são pobres vitimas e merecedoras de misericórdia, mas apesar da postura derrotada e da expressão facial  sofrida, eu sentia em todas elas uma força agressiva intensa, camuflada, engolida à seco, mas que ficava nítida aos meus olhos e sentidos e me perguntava: Para onde vai toda essa raiva? Foi então que me veio o insight de destrinchar durante a consulta aquele universo submerso. 

Nada fácil... quando a cliente perguntava " O que ele sente por mim?"  Além de responder sua pergunta eu emendava à resposta também os porquês, cá entre nós, sabemos o quanto é difícil para qualquer pessoa aceitar e encarar seus erros, defeitos e deslizes, mas eu senti uma intuição muito forte de que precisava insistir em trazer a tona tudo aquilo que se escondia por trás daquele sentimento de vitima e foram realmente incríveis as descobertas, assustadoras no início com a negação, depois a aceitação com frustração e raiva e por fim o entendimento com as lágrimas e o alívio.

O que eu aprendi? Toda vez que nos vitimizamos colocamos sobre os ombros todo o peso daquilo que escondemos: culpas, responsabilidades, medos, fraquezas... tudo dentro de um imenso saco invisível que carregamos inconscientemente e pesa muito, os ombros cedem. A gente não quer olhar para esse saco, nem tão pouco saber o que tem lá dentro, preferimos carregar o peso e continuar acusando tudo e todos, menos nós mesmos. Ficamos cansados, oprimidos, exaustos porque queremos que alguém tire de nós esse peso, a dor não é nossa, foi o outro que colocou aqui, foi o outro que me deixou assim e isso traz a agressividade, a revolta, a ira.

Porque será que acontece a rejeição? Será que a culpa realmente é do outro? Será que o ser rejeitado nunca fez nada de errado mesmo? Penso que um relacionamento sempre se baseia no comportamento de duas pessoas, quando as coisas boas acontecem é por conta da ação de ambos e porque não seria igual quando ocorrem situações difíceis? É muito cômodo depositar no outro a culpa por ter caído num buraco, mas que tal assumir sua parcela de culpa também e sair por alguns momentos dessa postura de vitima?

Se a pessoa te rejeita esteja certo(a) de que você teve atitudes ou comportamentos que provocaram isso. A vida funciona em forma de trocas energéticas, quem emana valor consequentemente é valorizado, quem emana baixa auto-estima e insegurança faz com que os outros o sintam fraco e o tratem com desvalor. Nenhuma pessoa permanece impune às respostas da vida, por isso os convido a refletir no que andaram fazendo, oferecendo ou demonstrando ao outro para que assim entendam os porquês de tudo.

Lamentações e queixas nunca levaram alguém a lugar algum, só servem para te afundarem mais ainda neste buraco que se permitiu cair. Quem se lamenta apenas consegue provocar pena nas pessoas e isso é péssimo! Não tem sentimento mais decadente, pois te diminui, te anula e te desvaloriza. Quer sair da rejeição? Reveja suas posturas.

Não é simples mostrar os monstros, não é simples enxergar, mas esse exercício com meus clientes me serviu muito para entender melhor sobre a rejeição e suas nuances e principalmente me fez ver que vale a pena ir além, ir a fundo na intuição e que as pessoas muitas vezes precisam que alguém lhes acenda uma vela.

Uma consulta de tarô não pode ser simplesmente feita de perguntas e respostas, se limitar a apenas responder o que o cliente pergunta, o impede de ver além, o impede de receber o que o universo tem para ofertar e continuo cada vez mais firme com o pensamento de que o tarô é uma ferramenta terapêutica e o tarólogo, o profissional dotado de ferramentas de conhecimento, intuição e ética, o elemento fundamental para levar as pessoas a uma viagem interior.






9 de jun de 2015

Em sua vida tem um Rei de ouros?


Ao contrário do que muito se fala a respeito do Rei de ouros no tarot, não o considero apenas um materialista, sério e focado na sua vida financeira e seus bens.

Nesta figura tirada do tarot místico, temos um rei de ouros de semblante mais suave, porém ainda mantendo um certo ar de  imponência, suas vestes impecáveis mostrando sua preocupação com a aparência, mostrando suas riquezas tão bem ilustradas em sua coroa, pulseiras e na moeda que traz na mão, enfim, será o rei de ouros um exibicionista?

Pensando a respeito desta colocação logo me veio a imagem de Gatsby, já assistiram o Grande Gatsby? - Recomendo. Interpretado brilhantemente por nosso queridíssimo DiCaprio. O personagem, um homem bilionário, elegantérrimo, sofisticado, cheiroso (eu penso que é), que faz do seu dinheiro aquilo que bem quer, promove festas badaladíssimas, com muita gente importante e bonita, ele gosta de brilho, de show, de tudo que encante os cinco sentidos, não apenas dele, mas das pessoas que ele conhece. 

Ele é um rei de ouros moderno que não mede esforços para fazer tudo aquilo que seu dinheiro pode ofertar apenas para agradar a mulher que ele ama. O rei de ouros é romântico, mas um tipo meio diferente porque ele tem uma extravagância que chega a ser charmosa e ao mesmo tempo assustadora - ele é capaz de fazer loucuras!

Assim como Gatsby tem como pano de fundo um grande amor, o mesmo acontece com o rei de ouros da carta do tarot místico, ele traz na mão direita uma moeda de ouro em forma de coração, o que representa seu universo sentimental e para ele, a conquista se dá na demonstração das riquezas que ele pode oferecer para a sua amada. Muitas mulheres vão pensar agora " Quem me dera um rei de ouros na minha vida". Até agora falei da parte boa, mas o anjo sempre vem acompanhado do diabinho, não é mesmo?

Esse rei é mimado, afetado, chato e se acha o dono do mundo, claro né? Nasceu no berço esplêndido, sempre teve tudo o que quis ao seu dispor - suas vontades são uma ordem, senhor! 


Esse rei quando ama, mostra seus sentimentos por meio das suas posses, vai oferecer os melhores restaurantes, as melhores viagens, melhores perfumes e olha que tem muito rei de ouros pé de chinelo, hein? O cara não tem onde cair morto, mas tem uma pose que faz qualquer um pensar que ele mora num castelo europeu, esse rei que é de ouros, mas não tem ouro nenhum, vive de aparências, pode ser falido, mas só anda de carrão e come caviar. O que me fez recordar mais uma vez do nosso adorável DiCaprio( Não que eu seja tão fã dele, mas coincidentemente ele fez esses dois papéis muito bem!), no filme Prenda-me se for capaz.
Ele é falido e se transforma num tremendo vigarista, com suas peripécias armando golpes, ganhando dinheiro, frequentando grandes festas e mostrando-se ser um rei de ouros.

Toda moeda tem duas faces, inclusive essa de ouro!

Se em sua vida tem um rei de ouros, das duas uma: ou ele tem de fato muita grana ou ele vive mostrando que tem. Nas duas situações a amada do rei de ouros sempre sai ganhando porque ele se desdobra para satisfazer as vontades dela, então mesmo que ele seja um duro, quando estiver com a mulher que ama nunca vai permitir que ela deixe de ter o que ele acredita ser o melhor, mesmo que ele tenha que viver fugindo da polícia, do fisco, dos banqueiros, das cobranças de cartão de crédito, multas e mais multas... etc.

Então? Em sua vida tem ou não um rei de ouros?



consultas de tarô online


Você é uma Princesa de Espadas?

O naipe de espadas sempre traz uma energia muito forte de raciocínio e poder mental, portanto, essa princesa tem essas características marcantes. Ela foge do convencional, possui uma alma guerreira, tem convicções, propósitos e ideias pelos quais ela costuma lutar. 

A princesa de espadas sabe da sua posição e por ser mulher não aceita se subjugar e aceitar antigos conceitos que a prendam ou a condicionem a ser uma mulher à espera de seu príncipe, ela não é sonhadora, nem muito romântica, ela é prática e gosta de agir.

A princesa de espadas carrega em si o masculino e o feminino de forma que se sente muito confortável transitando por esses universos. Ela planeja, administra, calcula e age ao mesmo tempo que nutre em si a doçura e a feminilidade que despontam em momentos únicos e para poucos.

Ela deseja ter ao lado um príncipe com honradez, com fortes ideais, um homem com quem possa se conectar mentalmente. Ela prefere os inteligentes, perspicazes e audaciosos. É uma princesa que não se prende a luxos, grandiosidades e riquezas, ela valoriza o caráter, a capacidade de liderança e negociação e a coragem, portanto, ela não se desdobra com presentes lindos e caros e nem com demonstrações exageradas de afeto. Geralmente ela nunca é escolhida, pois é ela quem escolhe seu par e não teme tomar inciativas, quando quer vai atrás, é auto confiante o suficiente para falar o que quer e espera, geralmente é direta, sem rodeios, nem floreios. Se o homem que ama não a corresponde, ela sofre sim, mas tem o entendimento de que nem todas as batalhas são feitas para ganhar e sabe como perder, com altivez e até mesmo uma aparente frieza, sai de cena e segue adiante, mas quando ama e é correspondida, a princesa de espadas é parceira, amiga, companheira em todas as batalhas e nos momentos de amor é tão intensa quanto a força de sua espada, pois ama livre de preconceitos, liberta de moralidades, pois é uma mulher à frente no seu tempo.

A princesa de espadas não é dondoca, detesta mimos. É mulher que trabalha, estuda, pensa, planeja. Geralmente as princesas de espada não gostam das prendas domésticas, mas a fazem porque sabem que alguém precisa fazê-las. Gostam mesmo é de alimentar o intelecto.