23 de set de 2015

Porque é tão difícil confiar no invisível?

A vida exige de nós que estejamos sempre ativos, prontos para o que der e vier, com força, garra e coragem para enfrentar todos os obstáculos. Crescemos aprendendo que é preciso persistir no que queremos, que não podemos medir esforços para alcançarmos nossos objetivos e que lutar incansavelmente por algo é sinônimo de fortaleza e determinação que nos levará a alcançar nossos ideais.

Claro que é sempre positivo manter uma postura forte e corajosa, mas muitas vezes, esse tipo de comportamento nos condiciona a acreditar que tudo depende exclusivamente de nós, que devemos carregar o compromisso e a responsabilidade de todos os nossos desejos sobre nossos ombros, nos consideramos auto-suficientes, carregando então sozinhos, o peso disso tudo que com o passar do tempo nos cansa, nos estressa, nos deixa frustrados por não conseguirmos o que queremos do jeito e no tempo que desejávamos. Vem então a sensação de impotência e incapacidade que nos desaponta totalmente e é nesse momento que olhamos para o abismo e nos vemos sem rumo, repletos de perguntas do tipo: O que eu fiz de errado? Porque não deu certo? 

Por mais que tenhamos fé em uma força superior, a pressão do mundo e da realidade cobra de nós o tempo todo atitudes diante da vida e deixar de nos esforçar, de correr atrás e encarar a maratona mais uma vez para ficar de braços cruzados, apenas orando, meditando ou fazendo rituais, confiando que uma força invisível pegue todos os nossos desejo e os realize, de repente pode parecer ilusão, pura utopia e pode nos fazer sentir tolos.

Para quem aprendeu desde muito cedo que o destino apenas está em suas mãos, a tarefa de confiar no invisível pode ser muito difícil, mas não é impossível, desde que se chegue a um entendimento maior da vida, de que ninguém está sozinho nesse mundo, digo em âmbito espiritual, pois a espiritualidade existe, independentemente de qualquer crença.

Confiar no invisível é ter a certeza de que existe algo além de nossa inteligência e compreensão, que nos ajuda, nos apoia, nos proporciona intuição. Essa energia pode ser chamada de Deus, de anjos, de mentores, de guias, tanto faz a denominação, o que realmente importa é nos permitirmos receber a ajuda e nos conectarmos com ela. Pode parecer estranho alguém não querer recebê-la, quem não quer ser ajudado? Na verdade não é que não se queira, simplesmente não se permite. Isso acontece quando resolvemos carregar nos braços o peso de todas as dificuldades, quando acreditamos que tudo apenas depende de nós. Se a gente toma posse dos problemas a espiritualidade não consegue agir, por isso é tão importante que haja uma entrega, mas é uma entrega emocional em primeira instância, é mais ou menos como carregar 50 quilos de farinha nas costas e depois de entregá-la nos sentirmos aliviados, respirando bem fundo e retomando as forças. É essa a sensação emocional e física que precisamos sentir quando resolvemos confiar no invisível e não significa de forma alguma ficar de braços cruzados, a nossa parte a gente precisa fazer, mas é preciso entender até onde vai a nossa parte - qual é o limite? Para isso a gente precisa prestar atenção na vida e se questionar onde fica o ponto que a coisa trava, qual é o momento em que você sente que por mais que faça, nada flui? Justamente nesse ponto é o seu limite, daí para frente passe a bola ao invisível e confie porque as energias sabem exatamente onde essa bola precisa chegar. Mais importante ainda é que fique bem, se sinta leve, despreocupado e totalmente convencido de que sua parte foi muito bem feita e que o invisível age formando com você uma equipe, onde um começa e outro dá continuidade, pode chegar o resultado muito rapidamente ou não, mas quando esse trabalho em equipe é bem realizado o resultado sempre chega.








17 de set de 2015

Carta 10 de paus - O esgotamento

Hoje, dia do meu aniversário, logo cedinho peguei uma carta do meu tarô para ser meu conselho do dia, imaginei que viria uma bela carta me fazendo um afago ou coisa assim, mas eis que vem à mão dez de paus. Não é uma carta de elogios e flores, mas sim um belo puxão de orelha, aquela chacoalhão que um bom amigo faz para te acordar, sabe?

Dez de paus, nesta quinta-feira veio me dizer que ando exigindo muito de mim, querendo carregar as responsabilidades de tudo sozinha, sentindo nos ombros o peso de um fardo que eu acredito que devo carregar e isso tem me deixado cansada, esgotada e muito decepcionada. VERDADE ABSOLUTA!

Esta carta vem mostrar a necessidade de sermos mais leves na vida e não querermos assumir sozinhos todos os problemas, precisamos contar com ajuda, com apoio, seja de outras pessoas ou da espiritualidade, pois nunca estamos sozinhos.

Muitas vezes acreditamos que quanto mais nos esforçarmos para atingir um resultado, mais fácil ele chega, infelizmente não é sempre assim, essa energia toda pode bloquear algo que precisa vir com mais suavidade na vida. Sair dessa energia densa do dez de paus é simples, mas requer de nós um movimento, um passo para atrás, abandonando essa situação e voltando ao Ás de paus (energia de recomeço) ou dando um passo a frente, adquirindo uma força mais positiva, chegando Á Princesa de paus ( energia criativa).

Não dá para assumir esse peso de responsabilidade e ficar bem, por isso à mim serviu muito bem esse conselho, me fazendo enxergar que é hora de saltar para a Princesa de paus, enxergar a situação de um prisma mais positivo, tomando atitudes diferentes, contando com meu poder para aceitar ajuda e não carregar sozinha o peso de todas as minhas intenções. Contar com a espiritualidade acima de tudo, deixar que o universo faça sua parte e com isso conseguir mais leveza na vida.







16 de set de 2015

Como o tarô pode ajudar no seu dia a dia?

Que bom que todos os dias podemos fazer escolhas e desta forma fazer nossa história acontecer. O destino tem sim sua importância nas tramas da linha da vida, mas uma coisa é a verdade nua e crua: Nossos caminhos quem os escolhe somos nós mesmos!

Escolher a trilha por onde seguir nem sempre é tarefa fácil, pois o medo do desconhecido é um fantasma real que precisamos exorcizar se quisermos seguir adiante, é nessa hora que o tarô é útil porque ele vem desvendar um pouco de todos esses mistérios e passar mais segurança, mais confiança, ajudando nas suas decisões. Ninguém quer fazer escolhas que prejudiquem o futuro ou que tragam resultados indesejados, o tarô então mostra cada escolha e suas consequências, as possibilidades tanto positivas quanto negativas de cada opção e dessa forma, munidos de informações preciosas é possível ponderar e encontrar o melhor caminho.

  • O clima está complicado no trabalho, a pessoa tem a sensação que pode ser demitida a qualquer momento, isso se torna um incômodo porque traz insegurança e agora o que fazer? Esperar até que a demissão venha ou começar já a ir buscando outro emprego? 

  • Deseja começar um negócio, abrir uma empresa e não sabe se pode confiar naqueles possíveis sócios e agora como proceder? 

  • O relacionamento está confuso, brigas, desentendimentos, sensação de insegurança... Será que deve continuar a investir nessa relação ou cair fora?

São variados os motivos e as questões, o tarô surge como um aliado trazendo mais clareza, mostrando a verdade de todas as situações, livre dos fantasmas da imaginação, dos tormentos do medo do futuro, o tarô chega para fazer com que veja o que realmente existe pela frente.

Costumo dizer que é uma delícia ser surpreendido na vida, pois muitas vezes precisamos deixar o acaso agir, sem tanta preocupação com o futuro. O tarô é útil para nos ajudar a dissolver conflitos e nos tirar um pouco da angústia das incertezas, principalmente naquelas situações mais incômodas e que nos tiram o sono, não deve ser utilizado para qualquer coisa ou qualquer circunstância, pois isso tiraria de nós o poder de agirmos por conta própria no dia a dia.

O tarô traz o benefício do conhecimento que deve ser bem administrado e de forma respeitosa, pois é um oráculo que está aqui para nos ajudar a todos, desde que saibamos dele fazer bom uso.